________
________




terça-feira, abril 7

Entrevista - Daily Princeton (Parte1)

Pessoas queridas, achamos essa matéria no Daily Princeton, jornal da universidade, falando sobre o Went.

Ele concede a entrevista por telefone em 10 de novembro de 2005.

Ela é muito grande então a dividi em 3 partes que serão postadas por DIA, para não ficar muito chata.

Houve também alguns problemas de tradução, pois muita coisa é gíria, palavras ou códigos usados dentro da faculdade, que nem os dicionários sabem o que significam!

Ao final do texto terá uma nota de rodapé, para explicar alguns termos usados.
Enjoy It! ^^

Tradução: Nina

THE DAILY PRINCETON
FOR GRACE LABATT

De Princeton a Primetime A estrela de Prison Break Wentworth Miller, turma de 1995, recorda seu tempo no campus.

Wentworth Miller, turma de 95, atuou em uma versão mais nova de Anthony Hopkins no filme Human Stain e convenceu Mariah Carey a deixar seu noivo no altar. A revista Time chamou-o “quietamente virtuoso”; A Revista People considerou-o um dos homens mais "sexy" da TV. Mas a estrela da série de sucesso Prison Break ainda se mostra tão animado falando sobre a sua tese de graduação tanto como ele faz para expressar a emoção de estar na frente da câmera.

Miller dificilmente compara a esperiência de cantar no Tigertones com a atuação. "Eu não seria o homem que eu sou, ou o ator eu sou, se eu não tivesse em Princeton minha experiência", disse Miller em uma entrevista telefônica. "Tive a exposição às melhores mentes e aos melhores recursos disponíveis. Eu viajei o mundo e vi culturas que eu nunca teria conhecido de outra maneira.”

Miller já era excepcionalmente 'mundano' quando matriculou - se. Nascido no Reino Unido de pais americanos mudou-se para os Estados Unidos ainda criança, foi levantado para o Brooklyn e freqüentou a escola secundária na Pensilvânia. Ele visitou primeiro Princeton como um sénior na High School, e finalmente optou por frequentar a Universidade, porque "a coisa toda parecia um cartão postal. Coube minha fantasia de uma universidade, elas deveriam ser semelhantes a esta." Seus pais, ambos professores, tinham enfatizado sempre a importância de uma instrução, e Princeton simplesmente “teve do melhor a oferecer.” Além disso, Miller acrescentou, "Minha mãe sempre gostou da idéia de um homem Princeton."

Mesmo como um calouro, ele sabia que ele queria acabar a universidade e prosseguir uma carreira profissional atuando. Ele admite que poderia ter sido mais fácil de entrar em Hollywood se imediatamente depois da High School tivesse mudado-se para lá, mais ele nunca lamentou dos seus quatro anos em Princeton. “A única coisa que um ator tem que trazer a tona é sua experiência,” disse Miller. “Todas [minhas experiências da faculdade] entraram em meu trabalho como um ator. Princeton é muito responsável por tudo que eu tenho conseguido hoje.”

Embora dissesse que Princeton “descarrilou - me momentaneamente” (mudando o rumo de ser ator) Miller ainda foi capaz de participar em muitas atividades que permitiriam mais tarde que entrasse na indústria do entretenimento. Participou da peça “Amadeus” no teatro Intime* em seu ano de calouro, entretanto após o Diário de Princeton mencionar cada ator da peça com exceção dele (que Miller chamou “generosa” atuação), ele decidiu fazer uma pausa do teatro e se concentrar nos estudos.

"Eu atuei durante todo o ensino fundamental, mas eu não percebia que atuar é mais que memorização de linhas", lembrou ele da sua experiência no Intime. "O resto do elenco era classicamente treinada, e que tinha frequentado Juilliard e Summerstock. Eu descobri algo que eu sempre amei foi escrito em uma língua estrangeira. Eu pensei que talvez isso não era para mim."

Com exceção de uma restrição com o Triangle Club* durante seu último ano, Miller dedicou a maior parte de seu tempo ao Tigertones, afiliações em primeira estância do Quadrangle Club* e mais tarde Colonial Club*.

Embora ele desempenhe um engenheiro estrutural em "Prison Break", Miller admitiu que "fiquei o mais longe possível da E-quad*. O mais próximo eu ficava era na rua em frente durante a noite." Em vez disso, como um grande Inglês, ele sempre preferiu as turmas de literatura e artes como algumas dessas aulas ele lembra com mais carinho.

Miller considera suas experiências com o canto junto com os Tigertones como principal moldador de sua vida acadêmica em Princeton. Sua voz barítono era apenas parte da razão que fazia dele um popular solista. "Ele foi a nossa arma secreta", disse Yungbin Kim'95. "Ele era um desses caras que tem esse tipo de presença que chama audiência." Eric Sullivan'95 concordou: "O grupo sempre disse que ele possuía um fator X, uma qualidade que faz algumas pessoas se destacam entre os outros. Estou muito animado por ele, mas não me surpreendeu muito o seu sucesso."

Continua...

Notas explicativas extraídas do dicionário de Princeton:
  • Intime - Teatro dentro do campus da universidade.
  • Triangle Club - Grupo de licenciaturas de teatro. Grupo que produz anualmente uma extravagância de música, palhaço e dança. Famosa por lançar os alunos kickline e Jimmy Stewart'32
  • Quadrangle Club - Grupo formado por licenciaturas de teatro e danças.
  • Colonial Club - Grupo que serve como pilar para outras atividades
  • E-Quad. - Prédios da Engenharia Quadrangle, localizado na Olden Street.

3 comentários:

wickedstyle 7 de abril de 2009 17:20  

Ah a "tal" entrevista rsrsrs :D
legal legal tá muito boa!
Bjos :*

Fernanda M.,  7 de abril de 2009 17:22  

uau mt boa esta entrevista..ele fala cm se tivesse certeza q a facul "moldou o homem" q ele é hj..e q ele nao se arrepende dos anos q ele deixou pra traz p se dedicar a facul...

Went é maravilhoso em td q faz...Meninas este blog ta nota 1000...Adoro d+ senao passar aki pelo menos uma vez ao dia parece q ta incompleto meu dia rsrssr

Thais*=*,  8 de abril de 2009 20:17  

Nossa + q menino certinho...kkkk