________
________




quinta-feira, abril 9

Entrevista - Daily Princeton - Parte 3


Terceira e ultima parte da entrevista de Wentworth Miller ao Daily Princeton

Sua tese, que Miller chama de “o ponto culminante de tudo que eu tinha aprendido,” investigou representações de identidade nos trabalhos de Charlotte Perkins Gilman, Jean Rhys, e Charlotte Bronte. Isto pode soar estranho de alguém que interpreta um condenado cada semana, mas de acordo com Miller, ambos envolvem uma compreensão de como os outros nos definem. “Eu sempre fui fascinado pelas maneiras em que nós podemos somente se ver através dos olhos das outras pessoas,” disse ele, Miller afirma ainda que ficava constantemente considerando-se como um ator e agora como uma celebridade. “Agora, é aquela troca subjacente de cada vez que entra um escritório... Como você me vê? Posso ser pago por isso?”

Houve dezenas de pedidos para produção de produtos manufaturados de seu tempo em Princeton, incluindo gravações que de Tigertones que ele participou. Ele reconhece que “o principal desafio para um ator hoje é que eles esperam que você alimente a besta do P.R com partes de sua vida pessoal.” Embora ele tenha tido de lidar com um súbito interesse em "o que vou vestir e aonde eu vou", Miller descreve seus fãs como "muito educados e apreciativos do show.” A reação mais estranha foi quando encontrou um Web site onde “alguém escrevia por mim, eu só descobri que esse ‘Wentworth’ era britânico. Acho que isso explica seu sotaque americano ruim.”

Críticas, mesmo de um perfeito e naturalizado sotaque, é talvez inevitável no implacável reflexo dos holofotes da mídia. Mas Miller nunca queixou-se desta atenção. Em vez disso, ele diz que se pudesse mudar alguma coisa sobre Hollywood, ele faria mais como sua experiência na graduação.
Ele quando se mudou para Los Angeles utilizou uma estrutura semelhante de quando você vai para uma turma, escreve documentos, se dedica e começa um trabalho árduo. “A [na indústria do entretenimento] não é garantia de sucesso. Existe uma escada, você sobe o primeiro degrau, mais esse passo não é garantia de uma etapa seguinte. Existem muitas pessoas boas e motivadas, pessoas talentosas que, apesar de seus melhores esforços, não conseguirão isso.” E há pessoas que você compara com os alunos que "nunca vão para a aula, mas ainda conseguem com sua experiência fora daquele ambiente.”

Miller utiliza os mesmos termos para descrever a sua experiência no campus e na frente da câmera - ambos necessitam "disciplina e unidade." "Em ambos os locais sem essas qualidades você não vai conseguir."

Miller também aprendeu como levar sua vida e ambições na realidade. "Quando alguém pergunta-me o que é preciso para fazê-lo, eu digo-lhe que você tem que ter a alma de um artista e o espírito de um burocrata. Estou no trabalho de fantasia". Mas mais do que tudo, Miller disse, "Estou feliz por ter um emprego estável."

Tradução: Nina

Fonte: www.dailyprincetonian.com/2005/11/10/13734/

1 comentários:

Aline,  10 de abril de 2009 00:52  

Essa parte aqui, chama atenção:

"A reação mais estranha foi quando encontrou um Web site onde “alguém escrevia por mim, eu só descobri que esse ‘Wentworth’ era britânico. Acho que isso explica seu sotaque americano ruim."

Meninas não se desesperem, nem fiquem tristes com essa história de twitter...internet é o bicho', num dá pra levar as coisas a sério assim não... cada coisa que a gente ouvi por aí; já vi um monte de famosos falando a respeito disso, de ter gente se passando por eles na rede...