________
________




quarta-feira, julho 22

Went fala sobre PB

Tradução By Josi revisão Nina

Entrevista: Wentworth Miller em Prison Break: The Final Break

Indicado ao Globo de Ouro Wentworth Miller (mostrado a direita), o ator de 37 anos que se tornou uma sensação da noite pro dia e um símbolo sexual instantâneo por retratar o esperto e atraente Michael Scofield, mostra sua última performance na série em Prison Break: The Final Break . Obrigado a manter a maior parte das duas horas de história do filme e o enredo girando o mais próximo de seu controle, Miller (um britânico-nascido, nativo do Brooklyn) opta por recordar sobre as quatro temporadas em que ele interpretou Michael Scofield na série hit.
Nesta entrevista com Earl Dittman, o bem-apessoado e inteligente Miller (um graduado em Princeton e um veterano de Buffy, a Caça Vampiros) relembra alguns dos encontros estranhos com fãs que experimentou ao longo dos anos, como Michael, revela quantos maços de cigarros um prisioneiro pode conseguir para obter um 8 x 10 dele, porque ele não tenta mostrar o seu nariz em público e se a série o ajudou a sair com mulheres em geral.
Após quatro temporadas dos irmãos Michael Scofield (Miller) e Lincoln Burrows (Dominic Purcell) conspirando para fugir de prisões domésticas e estrangeiras e correndo da aplicação da lei, governo corrupto e organizações secretas criminosas, o episódio final do ganhador de prêmios , aclamado pela crítica, e altamente cotado, a hit série Prison Break termina esta Primavera. Se você pegou o final há alguns meses atrás, você sabe qual é o futuro para a maioria dos personagens de PB. As fotos de Prison Break: The Final Break logo após os irmãos serem inocentados de todos os crimes, e antes da infeliz... bem, você sabe, de Michael. No Final Break, que captura Michael e Sara Tancredi (Sarah Wayne Callies) tentando aparentar uma vida normal juntos. Claro, você realmente acha que Michael e Sara poderiam manter um conto de fadas, de felizes para sempre juntos? Por favor, isto é Prison Break. Como membros do elenco Dominic Purcell, Amaury Nolasco, Robert Knepper, Jodi Lyn O'Keefe e William Fichtner de volta para outra série de voltas e voltas, Prison Break: The Final Break oferece aos famintos fãs outro sabor do habilidoso em salvamentos Scofield, além para revelar alguns segredos sobre estes que o cercam.

Você diria que é tão inteligente e habilidoso na vida real como Michael era em Prison Break?

"Não tanto como ele era. Eu era desesperado em matemática e ciências na escola. Então eu realmente invocava os roteiristas para me levarem até a velocidade certa quando se chegava a mencionar algo como ‘Fibonacci.’ Acho que poderia ter sido um ou dois episódios antes que eu entendesse o fato que era uma referência. "[ risos]

O que achou mais surpreendente sobre Prison Break, como uma série?

"Acho que o que realmente me surpreendeu foi como um meio como a televisão é tão poderoso como realmente é."

Desde que a televisão se tornou um meio tão poderoso, você ainda é muito reconhecido?

"Sim. Todos têm televisão. Continuamos a ter adeptos em todo o mundo. "

O que mais os fãs costumam dizer para você?

"Sempre foi uma experiência positiva. Os fãs são tão respeitadores em relação à série, e é um verdadeiro prazer falar com eles. O que eles basicamente me diziam era que, ao longo do tempo, quando a série estava no ar, eles não perdiam um episódio, que eles estão fazendo tempo para você, sua história, seu trabalho e minha vida a cada semana. Eu sempre considerei como um grande elogio."

Como é que o sucesso de Prison Break te ajudou com as mulheres - fora da tela?

"Foi uma faca de dois gumes. Obviamente, eu tinha um cartão telefônico que funciona muito bem em determinadas situações. [Risos] Eu tive algumas experiências estranhas, difíceis. "

Que tipo de experiências, por exemplo?

"Bem, uma vez, eu estava no shopping, e uma mulher veio até mim, muito educadamente, muito respeitosamente, e ela queria tirar a minha foto, e ela estava com sua câmera do celular como todos fazem. Ela mesma queria tirar a foto e por isso veio até mim, e eu coloquei meu braço em torno dela, e ela ocupou até seu telefone, mas não podia tirar a fotografia, porque se mexia muito. Ela estava tão nervosa que eu podia sentir a sua vibração ao meu lado e ela estava começando a me deixar nervoso também. Em seguida, ela teve que pedir a um estranho para tirar a fotografia para ela, e logo a foto foi tirada - logo que ela tinha a minha imagem na câmera - ela parou de olhar para mim. Ela continuou interagindo comigo, mas ela só olhou para a imagem em sua câmera. Ela disse adeus para a imagem em sua câmera. "

Isso deve ter sido muito estranho.

"É, realmente foi. Eu provavelmente poderia escrever um ensaio sobre a desconexão entre a percepção da imagem e a realidade. Mas foi um momento muito estranho ficar lá e perceber que alguém - que cinco segundos atrás queria nada mais do que reconhecer o seu trabalho - passou por uma experiência a mais e não pôde lidar com meu verdadeiro eu, parado ali. "

Quão estressante é para você ser reconhecido o tempo todo e ter pessoas que sabem quem você é e pensar que sabem tudo sobre você?

"É parte do negócio. Queríamos que as pessoas assistissem o programa. E, você tem que ter uma grande base de fãs, e isso foi também o que eu vi, quando se trata de fazer publicidade, PR e obter uma chance fora. Nós estávamos falando sobre isso uma vez no set, eu e Dominic (Purcell), e aquilo que é determinado que eles não nos pagam para agir. Eles pagam-nos a agir como embaixadores e diplomatas e políticos e publicistas e todas essas outras coisas que vão além de ser um ator em um bem sucedido programa de TV. "

A falta de privacidade nunca te irrita ou te incomoda?

"Sabe, os fãs são tão respeitosos que eles vêm para cima para pedir um autógrafo ou uma foto. A interação é normalmente feita dentro de cinco minutos. "

Você recebeu, ou ainda recebe, um monte de e-mails ou cartas românticas?

"Eu tenho recebido algumas cartas românticas, absolutamente, o que é lisonjeiro. Mas também sei que eles têm sentimentos, se você quiser chamar disso, pelo personagem que eu interpretava na TV. "

É verdade que os detentos sempre mandam cartas pra você?

"Sim, eu tenho algumas cartas de alguns detidos. Aparentemente, um alvo de Prison Break arranjaria um maço de cigarros. [Risos] Mas, a verdade é que em algumas penitenciárias estaduais não foram autorizados a assistir ao show, porque pode incentivá-los a imitar, eu acho. "

Sendo uma espécie de diplomata, como você mencionou, para o show, você sempre sentiu a responsabilidade de agir de uma determinada maneira em sua vida pública - como não entrar em problemas jurídicos e não ser capaz de se soltar em público?

"Bem, você não quer envergonhar a si mesmo. Assim, você sempre pode escolher pensar duas vezes sobre meter o nariz em público. "

Você faz isso muito?

"Meter o meu nariz em público? [Risos] Às vezes, às vezes há um pequeno sacrifício em termos de anonimato e privacidade, mas você nunca sabe o que vai ser convidado para o sacrifício até que ele já foi sacrificado. Foram tantas as vantagens para este trabalho, tantas regalias e tantas portas que se abriram para mim que eu realmente não posso reclamar. "

Olhando para trás, o que geralmente os fãs querem saber sobre a série?

"Nas duas primeiras temporadas, eles sempre queriam saber sobre a minha relação com a Dra. Sara. Todo mundo queria sempre saber qual era o acordo entre o Michael e a Dr. Sara. "

O que você costuma dizer-lhes?

"Era tanta coisa que eu poderia dizer-lhes. O que eu gostaria de dizer, e esta é a primeira depois de terem fugido, é ‘Enquanto Michael está literalmente livre, fisicamente livre, penso que a sua mente e coração estão de volta à prisão.’ Se você se lembrar de, nos últimos dois episódios da primeira temporada, ele perdeu tanto a figura de um pai no Warden Westmorland fatalmente e, talvez, tivesse comprometido o seu interesse no amor. Então, eu diria, ‘mentalmente e emocionalmente, ele é ainda muito mais um prisioneiro.’

Ao longo da série, você viajou diversas vezes cruzando o país. No início, quais foram as coisas mais interessantes que você viu em sua primeira caminhada através da América do Norte?

"Parei em Santa Fé - que é uma bela parte do país - e, aparentemente, onde hippies vão para morrer." [Risos]

Você é um grande comprador? Comprou alguma coisa nova a cada nova locação durante a fuga na série?

“Não, minha casa é abastecida por enquanto.”

Para fazer um show fisicamente desafiante como Prison Break, eu imagino que você tinha que estar em boa forma. Você tem uma rotina regular fora do trabalho?

"Minha rotinha fora do trabalho normalmente envolve comer menos. [Risos] Isso foi difícil, quando fomos filmar a primeira temporada em Chicago. Se você está tentando comer menos, Chicago é um lugar perigoso para estar, porque a comida era tão boa e as porções eram tão grandes, e era difícil de estabelecer e exercício físico regular enquanto se trabalham cinco dias por semana, catorze horas por dia. Quando fomos para Dallas para a segunda temporada, eu tive um pouco mais de tempo livre, porque tinham tantas histórias diferentes, e Michael não estava conduzindo toda cena. Então, eu caía na piscina de vez em quando, o que era bom. "

Você é um ávido nadador?

"Eu sou. Eu sou."

Uma vez que você nunca pode realmente revelar todos os pontos em Prison Break: The Final Break, é o Michael ainda vai ser “o cara” legal que a audiência têm conhecido e amado desde a 1ª temporada?

“Absolutamente, absolutamente, mas você começará a ver outras coisas que eu não podia fazer ou mostrar na série. Michael anda em uma linha muito fina entre o brilho e alguém com problemas muito graves. Quando eu li pela primeira vez o primeiro script de Prison Break, eu pensei que isso era apenas uma história sobre um homem que estava sacrificando toda sua vida para salvar seu irmão. Mas, agora, no fim das 4 temporadas - mesmo depois dos vinte e dois episódios da primeira temporada - Eu sempre me perguntei se a vida valia a pena agarrada aquilo por tudo o que vimos sobre ele nos flashbacks, Michael solitário, isolado e infeliz. Então, eu não acho que foi uma questão de sacrificar toda a sua vida. Foi mais uma questão de ele nunca ter vivido mais do que ele fez quando ele decidiu ir para a prisão para salvar seu irmão. Irá responder a uma série de perguntas sobre o Michael, eu prometo a você."

4 comentários:

Nanda,  22 de julho de 2009 23:58  

Que entrevista maravilhosa...amei.
vcs estão de parabéns meninas!!
Bjoo!!

Mariane 23 de julho de 2009 08:14  

Ahhhh..sempre tão carinhoso nas entrevistas, quem dera se eu tivesse a sorte de pelo menos pegar um autografo e tirar uma foto, acho que ia ficar mais nervosa que a outra fã, hahahaha!!!

Gente amo esse blog, visito umas 10x por dia, vejo 3, 4 x as postagens, uhuhuu... Parabéns e obrigadissima!!!

Abraços

Elili,  23 de julho de 2009 18:32  

EXISTE ESTA ENTREVISTA EM VÍDEO? PARA QUAL CANAL DE TV OU REVISTA FOI CONCEDIDA?

Nina 24 de julho de 2009 10:18  

Elili aonde eu vi essa entrevista foi tipo uma revista online, e infelizmente nem a data tinha..affe!
BJUS!